Wednesday, January 10, 2007

Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva




Chove. Há silêncio, porque a mesma chuva
Não faz ruído senão com sossego.
Chove. O céu dorme. Quando a alma é viúva
Do que não sabe, o sentimento é cego.
Chove. Meu ser (quem sou) renego...

Tão calma é a chuva que se solta no ar
(Nem parece de nuvens) que parece
Que não é chuva, mas um sussurrar
Que de si mesmo, ao sussurrar, se esquece.
Chove. Nada apetece...

Não paira vento, não há céu que eu sinta.
Chove longínqua e indistintamente,
Como uma coisa certa que nos minta,
Como um grande desejo que nos mente.
Chove. Nada em mim sente...

Fernando Pessoa

Labels: , ,

3 moonlovers:

Blogger sentidos said...

Olá Moon!!

Finalmente, posso retomar as minhas visitas neste mundo. Já tinha imensas saudades...como deves imaginar. Fiquei paralisado, com a força e subtileza destas palavras. O entorpecimento aqui descrito, que bem conhecemos.

Um Beijo Sentido

Wednesday, January 10, 2007 10:19:00 pm  
Blogger Moonlover said...

Olá amigo Sentido!
que bom ter-te de volta, já liguei para a Carla só para saber se estavas mm bem ;)
Beijos lunares ;)

Thursday, January 11, 2007 9:50:00 pm  
Blogger azzrael said...

Pena que o que chova tão frequentemente seja a nossa alma...
beijinhos grandes*****

Saturday, January 13, 2007 7:08:00 pm  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home