Tuesday, June 13, 2006

Homenagem a Eugénio de Andrade

As Palavras

São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
barcos ou beijos,
as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas, são de luz
e são a noite.
E mesmo palidas
verdes paraisos lembram ainda.

Quem as escuta?quem
as recolhe, assim
crueis, desfeitas,
nas suas conchas puras.

Eugénio de Andrade

4 moonlovers:

Anonymous carla graca said...

Estou emocionada! Adoro Eugénio de Andrade... Este poema tem lugar destacado no meu livro de sonhos (poemas)!
Esta noite ouvi/senti aquela que julgo ser a melhor voz/música do momento! A Marisa dos Donna Maria! Ela consegue transportar palavras, dar-lhes sentimentos, torná-las puras e leves como se voassem! O seu som entrou em mim, correu nas minhas veias, fez-me voar!!! A sua voz é tecida de luz!!!!
Moon... tens de ouvi-la!!!
Obrigada pelo poema!
Tu tambem tens luz!!!

Tuesday, June 13, 2006 10:34:00 am  
Blogger Moonlover said...

Querida Carla,
eu já tive o privilégio de ouvir tambem essa voz fantastica da Marissa,
foi num bar em Lisboa, chamado Templários.
Adoro a voz, a intrepertação, a presença em palco, a simpatia, etc.
Beijokinhas boas e obrigada.

Tuesday, June 13, 2006 10:43:00 am  
Blogger lobices said...

...Eugénio será sempre Eugénio, o génio...

Wednesday, June 14, 2006 3:44:00 pm  
Blogger João Barbosa said...

Vim apenas agracer as palavras simpáticas e gentis deixadas no meu blog. hei-de aqui vir mais vezes.
:-)

Wednesday, June 14, 2006 6:38:00 pm  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home