Sunday, April 02, 2006

Acordar da cidade de Lisboa, mais tarde do que as outras,


Minha dor é velha
Como um frasco de essência cheio de pó.
Minha dor é inútil
Como uma gaiola numa terra onde não há aves,
E minha dor é silenciosa e triste
Como a parte da praia onde o mar não chega.
Chego às janelas
Dos palácios arruinados
E cismo de dentro para fora
Para me consolar do presente.
Dá-me rosas, rosas,
E lírios também...
Mas por mais rosas e lírios que me dês,
Eu nunca acharei que a vida é bastante.
Faltar-me-á sempre qualquer coisa,
Sobrar-me-á sempre de que desejar,
Como um palco deserto.

Por isso, não te importes com o que penso,
E muito embora o que eu te peça
Te pareça que não quer dizer nada,
Minha pobre criança tísica,
Dá-me das tuas rosas e dos teus lírios,
Dá-me rosas, rosas,
E lírios também...
Alvaro de Campos
in Acordar

1 moonlovers:

Blogger azzrael said...

Ah! Fernando Pessoa...
Digo que não associaria este poema a Àlvaro de Campos... Talvez mais a um Miguel Torga, não sei porque. Os poemas que li dele eram mais agressivos, mais futuristas e ruidosos :)

Sunday, April 02, 2006 9:29:00 pm  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home